sexta-feira, julho 21, 2006

Esse foi o primeiro!

Na verdade era para ser uma letra de música, mas... considero-o o primeiro.

ALVÍSSARA

Vede, em ruínas está a cidade,
O canto já não ecoa mais.
Vede, é tudo choro e lamento,
A harpa, em galhos secos jaz.
O vento de desobediência
Trouxe consigo o terror,
O gosto amargo da doce ilusão
Tirou do poeta o amor e a canção;
Quem trará novo alento a Sião?

Mas vede, é dos montes que vem a Paz,
Alvissareira é a notícia que traz
Os pés do arauto, do irmão.
Vede, é vitória já reina teu Deus,
Em corais alardeia Sião
Às nações a tua salvação.

(PC - 09/2005)

3 comentários:

FELIPE MUNIZ disse...

POESIAS...TODAS ENCANTAM E DISCAMAM
O CORAÇÃO QUE SE ENJAULA EM UMA CONDUTA IREAL,IMORAL E INADEQUADA PARA AQUELES QUE AMAM A ARTE...POR MOMENTOS LENDO SUAS POESIAS PAULO CRUZ FUI ARREBATADO COMO SE TIRA UMA CRIANÇA DE SEU CASTELO DE AREIA E LHE MOSTRA A VIDA, QUE DURA VIDA, MAS SERIA MUITO MAIS DURAS, SEM BELAS POESIAS QUE NOS FAZEM LAMBER OS LÁBIOS,PARABENS! PAULO PELA SUA EXELENTE MANEIRA DE MOSTRAR A VIDA ATRAVÉS DE PALAVRAS!!

Paulo Cruz (PC) disse...

Você não tá fraco hein, mano?! (rsrs)

Muito obrigado!

Abração,
PC

rubenita disse...

olá querido, gostei muito de passar por aqui... sua sensibilidade, sua concordância e exaltação Àquele que te teu o dom das palavras é algo bastante edificante!

o nome "alvíssara" me lembra o CD do silvestre kuhlmann que tem esse mesmo título e em uma das estrofes ele diz: "a vitória está prevista, o General bate em revista às tropas"... que o nosso General (razão da sua poesia) possa sempre encontrá-lo irrepreensível! (palavra grega que significa panela sem cabo, ou seja, não há nada em minha vida que possa alguém "pegar"... ninguém pega uma panela sem cabo!).

agradeço sua amizade. gde beijo. rubenita