sexta-feira, agosto 04, 2006

A herança do Patriarca recusa o cessar-fogo!

OGIVA MALDITA

Rasgando o céu,
A ogiva maldita
Cumpre seu papel.

Desliza ligeira
Por sobre seu alvo,
Sua sombra certeira.

Derrama seu cheiro
De fogo celeste
Mortal, traiçoeiro.

Não resta um abrigo
E até nas crianças
Vê um inimigo.

Suplício clemente
No brado das ruas,
No sangue inocente.

Vem da Palestina
Ou vem de Israel
Tal fúria assassina?

Irmãos separados
Desde o nascimento;
São todos culpados!

Pois todo conflito
Em nome de Deus
É um erro maldito!

(PC - 04/08/2006 - Sobre a guerra infinda entre Israel e Palestina)

2 comentários:

Keka disse...

Hoje recebi um vídeo, não consegui acreditar... por causa que um menino roubou um pão, esmagaram seu braço debaixo de um pneu.... isso em nome de Islam...

Eu gosto desse poema pois ele fala muitas verdades, doídas, mas verdades. E que a igreja do Senhor desperte para fazer aquilo para o que foi chamada, e páre de fazer aquilo para o qual chamada não foi.

Paulo Cruz (PC) disse...

Exatamente, Kerly, precisamos nos concentrar naquilo a que fomos chamados: pregar o ano aceitável do Senhor!

Obrigado e um beijo,
PC