terça-feira, junho 19, 2007

PESADELO

Arrasto
no espaço
um estado
tardio
de tempo

confuso
afundo
no fundo
de um sonho

vagueio
no vazio
velando
um rio
cheio de
mágoas

assusto
suspiro

acordo

o corpo
coberto
de dor.

(PC – 19/06/2007)

Um comentário:

Alexandra disse...

Oi amigo!

gostei demais das palavras, da profundidade... parece que está lendo a minha alma.

Coloquei este poema na minha página do Orkut. Uma prova de que gostei mt.
Abração!